Minha moda não é sustentável

Voltei incomodada e reflexiva. No ano passado, eu falei aqui sobre o Fashion Revolution Day, a campanha que rola no dia 24 de abril no mundo todo para lembrar todo mundo de ter mais consciência no consumo de moda, colocando foco naqueles problemas todos que envolvem a cadeia dessa indústria e que muitas vezes a gente faz vista grossa e releva. Tem exploração humana e ambiental pra caramba, assim como em outras áreas e indústrias. Eu fiz uns posts falando sobre isso e até um falando sobre o impacto ambiental da produção do algodão. Eu fiz o blog “Moda Sem Sacola” para explorar esse assunto e produzir conteúdo de moda sem deixar de lado essas questões. Eu queria falar de uma moda mais “legal”.

Aí hoje eu me peguei pensando: até que ponto tudo isso me incomoda? Até que ponto eu estou agindo sobre isso? Eu quero uma “moda sustentável”, mas eu não estou de fato mudando o meu comportamento para isso. Eu ainda consumo roupas de lojas de Fast Fashion, as mais acusadas de usar trabalho escravo. Eu não escolho o que eu compro pelo material do qual as roupas foram feitas (exceto pelo couro e pele animal, que eu não compro mesmo). E olha, eu sou consciente. Mas a moda que eu consumo ainda não é sustentável. Não tem moda sustentável: tem tentativas, caminhos, meios de consumo sustentáveis. Mas a produção que respeite os seres humanos e o meio ambiente em todas as suas etapas, desde o material do qual é feito o tecido, a forma como esse produto vai retornar ao meio ambiente depois de ser descartado pelo consumidor, é praticamente inexistente. Mesmo se for tudo perfeito até o consumidor final, quando saímos da questão material para a linguagem e como a moda é lida pela sociedade, entramos em uma série de outros problemas e questões que ainda não foram resolvidos. E eu tô aqui e essa mesma moda é o que eu amo, mesmo que muitas vezes não dê para defender. Eu quero discutir, quero descobrir novas possibilidades e acredito no potencial e importância que as roupas têm.

IMG_1315
Roupas do Brechó “Tem Estória Tem Memória”. Foto: Isabela Magalhães

Na segunda-feira, dia 1º, assisti a uma palestra excelente da Ana Cláudia Vidigal no espaço FO.CA. Lá, ela me deixou mais incomodada (e inspirada) ainda. Ela disse que todo mundo, sendo parte da produção ou sendo consumidor, precisa urgentemente pensar, refletir. Do contrário, não tem saída. Depois da palestra dela, o Luiz Octávio Gonçalves falou sobre o Design Thinking, contextualizando para a moda. No design thinking um dos principais pontos é a empatia, se colocar no lugar do outro. Isso aí não deve ser apenas para solucionar problemas no que diz respeito ao design dos produtos, tem que ser um pensamento levado pra vida. A empatia é um dos caminhos para a sustentabilidade sim, porque se a gente de fato se colocasse no lugar dos funcionários explorados pela indústria, por exemplo, não seríamos capazes de compactuar com esse cenário.

Pensar não é o suficiente. É aquela coisa: tô fazendo “coisa errada”, mas se estou consciente, tá tudo bem. Não está! Eu sei, tem muita coisa errada nesse mundo, e a cadeia da moda (e do consumo em geral) é mais uma das coisas que estão bagunçadas. A gente tem que mudar de postura, porque ficar apenas “incomodado”, não vai dar resultado nenhum, só vai te deixar com a consciência pesada mesmo. Vim aqui provocar vocês, na intenção de me provocar também. É muito confortável eu escrever esse texto de motivação aqui, desligar o computador e pronto, fiz minha parte. Quero sair dessa zona de conforto. Vamos juntos.

(Com todo meu amor e minha vergonha na cara depois de quase cinco meses. Não desistam de mim!)

 

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s